Banner_head Governo do Estado

Banner_head Câmara

sexta-feira, 29 de janeiro de 2021

Covid-19: Ceará registra aumento de 11% nos casos e 50% nos óbitos


Na última semana, Ceará registrou aumento de 11% no número de casos e de 50% no número de óbitos por Covid-19. O balanço foi divulgado na noite desta sexta-feira, 29, pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesa). Quatro das cinco regiões do Estado apresentaram aumento de casos. Até esta sexta, o número de pessoas vacinadas chega a 81.921 no Ceará. Em dois municípios, 100% das doses distribuídas já foram aplicadas.

Na semana epidemiológica 3, de 17 a 23 de janeiro, foram confirmados 5.126 casos e 54 óbitos. A região de saúde de Fortaleza registrou aumento 18,4% nos casos e redução de 4,3% nos óbitos. Outras regiões também registraram aumento: Norte (aumento de 12,5% nos casos e 100% nos óbitos), Litoral Leste (aumento de 6,4% nos casos e 200% nos óbitos), Sertão Central (aumento de 7,1% de casos e 200% de óbitos). Apenas o Cariri registrou redução de 3,7% nos casos e mesmo número de óbitos em relação à semana anterior. 

Das 22 Áreas Descentralizadas de Saúde (ADS) do Estado, 21 apresentam incremento de casos em 15 dias (de 20/12 a 02/01) com relação à quinzena anterior (03/01 a 16/01). "Com exceção de Russas, todas as ADS tiveram incremento de casos novos. É importante esse alerta para que as pessoas não relaxem nas medidas de prevenção", alertou Ricristhi Gonçalves, Coordenadora da Vigilância Epidemiológica e Prevenção em Saúde da Sesa.

"Tivemos 69 municípios com registro de óbitos. O que representa 60% a mais do que foi registrado na semana passada", frisou. Em 2021, até o dia 23, foram registrados 237 óbitos por Covid-19 em 69 (37,5%) municípios. A maioria dos óbitos (75%) foi de pessoas com 60 anos ou mais, do sexo masculino (58,6%) e com doenças crônicas pré-existentes (71,1%).

Conforme atualização feita às 17h02min desta sexta no IntegraSUS, o Estado soma 370.300 casos confirmados e 10.465 mortes em decorrência da doença. Não foi registrado óbito nas últimas 24 horas. (O Povo)

Últimas notícias