Banner_head Governo do Estado

Banner_head Câmara

terça-feira, 6 de julho de 2021

Índice de Confiança do Empresário reflete otimismo da indústria cearense


O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) aumentou 3,2 pontos em junho em comparação ao mês anterior. É a segunda alta consecutiva do índice, que se situa em 61,7 pontos, bem acima da linha divisória de 50 pontos, que separa a confiança da falta de confiança, o que demonstra otimismo forte e disseminado na indústria.

O Ceará tem o décimo segundo maior PIB do Brasil, com R$ 137,1 bilhões. Segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o PIB industrial do estado é de R$ 24,8 bilhões, o equivalente a 1,9% da indústria nacional, empregando cerca de 306.553 trabalhadores na indústria. 

Para o deputado federal Heitor Freire (PSL-CE), o índice é um importante termômetro para medir a capacidade do País e do estado, e o resultado demonstra que a indústria segue confiante na economia e no desempenho das empresas este mês. “Estamos dando os primeiros suspiros após um período muito difícil para a sociedade brasileira e logicamente que impactam na produção do País. Mas depois da turbulência vem um rearranjo econômico, o país tem se organizado e disposto a produzir”, destacou.

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) aumentou 3,2 pontos em junho em comparação ao mês anterior. É a segunda alta consecutiva do índice, que se situa em 61,7 pontos, bem acima da linha divisória de 50 pontos, que separa a confiança da falta de confiança, o que demonstra otimismo forte e disseminado na indústria.

O Ceará tem o décimo segundo maior PIB do Brasil, com R$ 137,1 bilhões. Segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o PIB industrial do estado é de R$ 24,8 bilhões, o equivalente a 1,9% da indústria nacional, empregando cerca de 306.553 trabalhadores na indústria. 

Para o deputado federal Heitor Freire (PSL-CE), o índice é um importante termômetro para medir a capacidade do País e do estado, e o resultado demonstra que a indústria segue confiante na economia e no desempenho das empresas este mês. “Estamos dando os primeiros suspiros após um período muito difícil para a sociedade brasileira e logicamente que impactam na produção do País. Mas depois da turbulência vem um rearranjo econômico, o país tem se organizado e disposto a produzir”, destacou.

O avanço da vacinação tem contribuído para este cenário, segundo o deputado. Para ele, é preciso continuar avançando nas reformas, especialmente a tributária, pois isso gera ânimo e expectativas positivas no mercado, ampliando investimento externo e retomando a recuperação da economia. 

 O ICEI é composto por dois índices: de Condições Atuais e de Expectativas, todos os componentes registraram avanço em junho de 2021. Destaca-se a alta do Índice de Condições Atuais, cujo crescimento demonstra uma percepção mais positiva do estado atual da economia brasileira e das empresas. O índice cresceu 4,6 pontos, de 50,2 para 54,8 pontos, se afastando, assim, da linha divisória de 50 pontos que separa uma percepção negativa de uma percepção positiva das condições atuais.

O Índice de Expectativas, que já estava em um alto patamar, avançou 2,5 pontos, atingindo 65,1 pontos, o que indica ainda mais otimismo da indústria para os próximos seis meses. O índice vem oscilando há alguns meses, mas se mantém em patamar elevado, acima do registrado antes da pandemia.

 Segundo o professor de economia do Ibmec, William Baghdassarian, tudo funciona com base nas expectativas. À medida em que se acredita que a economia vai melhorar os investidores já começam a atuar. 

 “Essa melhora do índice representa um maior otimismo do setor industrial principalmente com relação à economia brasileira nos próximos meses. Isso tem uma pegada boa porque você acaba fomentando o investimento e os empresários não vão esperar a economia brasileira crescer para começar a investir”, afirmou. 

 Em junho de 2021, a confiança aumentou em 29 dos 30 setores da Indústria analisados. Todos os setores da Indústria estão confiantes, ou seja, apresentam índices de confiança acima dos 50 pontos.

(Rafaela Gonçalves - Brasil 61)

Últimas notícias