Banner Governo do Estado

Banner Prefeitura de Fortaleza

Banner Câmara de Fortaleza

RADIO

quarta-feira, 21 de agosto de 2019

As duas apostas de Lula por liberdade em meio a desgate da Lava Jato


Acostumado a sofrer derrotas no Supremo Tribunal Federal (STF), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva espera novos julgamentos de pedidos de liberdade pela Corte com as esperanças renovadas, diante do intenso desgaste sofrido pela Operação Lava Jato nos últimos meses, desde que foram reveladas conversas comprometedoras atribuídas a procuradores federais e ao ex-juiz Sergio Moro (hoje ministro da Justiça) pelo site The Intercept Brasil.

Em um sinal positivo, Lula obteve este mês uma importante vitória no STF, quando o plenário barrou, por 10 votos a um, a transferência do ex-presidente da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba para um presídio comum em São Paulo.

No entanto, apesar dessa recente conquista e dos questionamentos sobre a legalidade da operação, as chances de o petista ser solto continuam incertas.

As maiores expectativas estão na análise de dois recursos - um que questiona a imparcialidade de Moro e outro que pede a suspeição da Força-Tarefa da Java Jato.

Quatro casos da Lava Jato em que investigadores seriam punidos por nova lei de abuso de autoridade
Com Deltan Dallagnol em xeque, como fica futuro da operação Lava Jato?

No entanto, esses dois habeas corpus, que têm potencial de anular processos e condenações contra Lula na 13ª vara de Curitiba, ainda não estão com data marcada para julgamento. Há ainda outros dois recursos, mas de menor importância, que serão julgados nesta e na próxima semana.

A grande questão que deve definir a soltura ou não de Lula é se os ministros que compõem a Segunda Turma do Supremo (Cármen Lúcia, Gilmar Mendes, Celso de Mello, Edson Fachin e Ricardo Lewandowski), responsável por analisar os recursos do ex-presidente, vão considerar autênticas e válidas como prova a favor de Lula as conversas reveladas pelo The Intercept Brasil - aparentemente extraídas da conta de Dallagnol no aplicativo Telegram.

Moro e procuradores da Lava Jato têm dito que não reconhecem a autenticidade das mensagens e que elas podem ter sido adulteradas por hackers. Já o The Intercept Brasil diz que recebeu o material de uma fonte anônima.

(BBC Brasil)

Últimas notícias