terça-feira, 2 de outubro de 2018

Haddad diz que buscará todas as formas jurídicas de libertar Lula

O presidenciável Fernando Haddad (PT) afirmou em comício na noite desta segunda-feira (1°), no
centro do Rio de Janeiro, que continuará procurando qualquer forma jurídica de libertar o
ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso em Curitiba desde abril.
Haddad também acenou às mulheres e fez ataques diretos a Jair Bolsonaro (PSL), que segue
em primeiro lugar nas pesquisas de intenção de voto para a Presidência. O candidato do PT disse que toda segunda-feira, quando visita Lula, sente que "eles" ficam incomodados.

"Vou ver todas as formas jurídicas de ajudar o Lula porque o Lula está preso injustamente e todo mundo sabe disso", armou. "Ficam querendo dar uma roupagem de legalidade para uma tamanha arbitrariedade como essa." O comício ocorreu na Cinelândia e contou com a presença de artistas como a atriz Bete Mendes e o diretor de teatro José Celso Corrêa.
 O petista deu início ao discurso criticando o que vê como uma conduta dos aliados de Bolsonaro de ofender as mulheres.  Citou a declaração de seu vice, o general Hamilton Mourão, que relacionou a violência com a ausência de guras masculinas nas famílias. Também lembrou do filho de Bolsonaro, Eduardo, que afirmou que as mulheres de direita são mais bonitas e higiênicas do que as de esquerda.
"Fico pensando no que passa na cabeça dessas pessoas para fazer política ofendendo as mulheres", disse, acrescentando que elas "carregam o país nas costas" com quatro jornadas de trabalho diárias. Neste momento, Haddad fez uma reverência a Ana Estela, sua mulher, que o acompanhou no comício. Também em ataque a Bolsonaro, o petista armou que a saída para o Brasil não passa pelo armamento da população. "Não queremos mãos armadas, queremos livro numa mão e carteira assinada na outra." Resumindo sua fala, que durou cerca de 15 minutos, Haddad despediu-se com quatro palavras: "Ele não, Lula livre!"