Banner Governo do Estado

quarta-feira, 1 de julho de 2020

Filho teria assumido cargo - Ministério Público investiga ausência do cargo do prefeito de Uruburetama


O procurador Marlon Welter assinou documento nesta quarta-feira, 1°, estabelecendo prioridade total no trâmite e elaboração de expedientes relativos a caso denunciado pela presidente da Câmara Municipal de Uruburetama, vereadora Stela Rocha, que afirma que o prefeito do município, Artur Nery, está internado há cerca de 50 dias impossibilitado de exercer suas funções e que, mesmo assim, decretos estão sendo liberados com a assinatura do gestor.

Além disso, a parlamentar alega que o Executivo não notificou o afastamento, o que é obrigatório, e que o município está sem comando durante período crítico da pandemia de coronavírus. Segundo Stela, o prefeito estaria internado em estado grave.

O Ministério Público deu prazo de dez dias para esclarecimentos sobre o caso, pergunta-se: desde quando o prefeito está afastado, qual o motivo e por que a Câmara Municipal não foi notificada, além de solicitar cópia da ata de sessão do último dia 29, na qual oito dos 11 vereadores teriam decidido por arquivar denúncia sobre ausência do prefeito.

A vereadora enviou ofício ao Hospital Regional da Unimed Fortaleza (HRU) para esclarecer a situação do prefeito e obteve resposta do diretor técnico do HRU, Marcio Alcântara Costa, que escreveu: "Identificamos que o Sr. Artur Wagner Vasconcelos Nery, fora atendido neste hospital no dia 10/05/2020 e permanece internado até a presente data (30/06/2020)".

Há uma semana a parlamentar acionou o Ministério Público para intervir no caso. Na última segunda-feira, documento assinado pelo promotor responsável pela comarca de Uruburetama, Edilson Izaías de Jesus Júnior, solicita que a "Delegacia de Policia Civil de Uruburetama instaure procedimento investigatório acerca dos fatos" e dá prazo de 15 dias para resposta.

Nery foi eleito como vice-prefeito em 2016, mas foi empossado como prefeito no ano passado após a Câmara cassar o então gestor José Hilson de Paiva, envolvido em denúncias de escândalo sexual. Como o município não tem vice-prefeito a responsabilidade da gestão, na ausência do prefeito, ficaria a cargo da presidente da Câmara Municipal.

O POVO tentou contato com a prefeitura de Uruburetama e com o filho do prefeito, que ocupa cargo de vereador, mas até a publicação desta matéria as ligações não foram atendidas.

Últimas notícias