terça-feira, 18 de setembro de 2018

Haddad quer apoio de Ciro no 2º turno e no governo

Recém-lançado oficialmente, o candidato do PT, Fernando Haddad, começa a crescer nas pesquisas de intenção de voto e já conta que estará no segundo turno com o apoio de Ciro Gomes (PDT). O petista também afirmou que espera contar com o adversário pedetista num futuro governo seu. Os dois brigam pelo segundo lugar na corrida presidencial, disputando votos nos mesmos colégios eleitorais: Nordeste, Norte e região metropolitana de São Paulo.
"Eu fui o que mais buscou aproximação de todas as partes da centro-esquerda para lutar contra esse obscurantismo que está solto. Eu lutei e continuarei lutando para que continuemos juntos. Não foi possível no primeiro turno, será possível no segundo e mais ainda no governo", disse sobre Ciro e o PDT, durante sabatina Uol/SBT/Folha de S. Paulo, na manhã de ontem
"Ciro me convidou para ser vice na chapa dele. (Ciro) Disse, na ocasião, que teria a honra de ser vice na minha. É um amigo. Uma pessoa que estimo. Procurei o Cid em janeiro, falei com Mangabeira Unger (do PDT) na minha casa, dizendo que temos que compor um campo de centro-esquerda. O Ciro caberia na chapa do Lula, (convidei) sem autorização do Lula, mas querendo aproximá-los. Levei Carlos Lupi ao Instituto Lula, levei para visitar o Lula", afirmou.
Haddad tem sofrido críticas de Ciro. O pedetista chamou o ex-prefeito de São Paulo de "decepção", lembrando a derrota dele para João Dória no 1º turno em 2016. Também disse que Haddad entraria fragilizado para combater a ameaça da extrema direita na figura de Jair Bolsonaro (PSL).
"Não é nem bacana para a sociedade a gente rebaixar demais por causa do primeiro turno. Vou enaltecer as pessoas de centro-esquerda porque eu quero estar com elas no segundo turno e no governo", apontou Haddad.
Numa espécie de reformulação do programa de Ciro para tirar dívidas do SPC, lançou o Dívida Zero, em seu programa, para renegociação de endividados. "No primeiro ano, vamos enfrentar a reforma bancária. Não adianta tirar as pessoas do SPC porque com essa taxa de juros, elas vão voltar para o SPC. Temos que enfrentar a reforma bancária. A ideia do Ciro é muito limitada: tirar as pessoas do SPC um ano para entrar no ano seguinte?", afirmou o petista.
O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), que busca reeleição, disse que Haddad soltaria Lula se fosse eleito presidente, por indulto. O ex-presidente cumpre pena em Curitiba por lavagem de dinheiro e corrupção passiva. Haddad disse que sequer chegou a conversar com Pimentel sobre o assunto. De acordo com o presidenciável, Lula teria dito, em carta, que não aceitaria o indulto e espera ser absolvido nos tribunais superiores. O petista afirmou ainda que teria Lula como conselheiro em um eventual governo. "Jamais dispensaria a experiência do presidente Lula", disse.

(O Povo)