sábado, 22 de setembro de 2018

Agentes de saúde refirmam apoio a Camilo


O governador Camilo Santana 13, candidato à reeleição pela Coligação “Por um Ceará cada vez mais forte”, se reuniu na tarde deste sábado com agentes comunitários de saúde e agentes de combate às endemias. No encontro, a categoria destacou os ganhos dos últimos quatro anos e entregou propostas para o Plano de Governo de Camilo.

“Eu assumi compromissos não só com a categoria dos agentes de saúde e de endemias, mas com a saúde de uma maneira geral e, mesmo com graves crises econômica e política no Brasil, nós conseguimos ampliar os investimentos em saúde no Ceará. Vamos receber o ministro da Saúde dos Estados Unidos para ele conhecer a nossa experiência do Núcleo de Estimulação Precoce no Ceará para a prevenção de Zika e Chikungunya no Ceará”, disse o governador.

No Governo Camilo, a categoria foi beneficiada com as leis que instituem o piso da categoria e o adicional de insalubridade para os agentes comunitários. O benefício assegurado é de 20% sobre a remuneração.

“No Ceará, cuidamos da saúde das pessoas desde a prevenção, e vocês são fundamentais para que isso aconteça. Por isso eu sempre valorizei esta categoria e vou continuar fazendo se o povo do Ceará me der a honra de continuar pelos próximos quatro anos. Nós queremos ampliar o número de pessoas atendidas pelo Cartão Mais Infância Ceará e o trabalho dos agentes de saúde é fundamental para cuidar dos cearenses que mais precisam do apoio do Estado”, concluiu Camilo Santana.

Categoria
Sandra Sabino é agente de endemias e disse que o reconhecimento ao trabalho do governador Camilo Santana vai ser pelo voto. “Ele é o mais preparado e compreende as nossas necessidades, está nos dando as condições necessárias para a gente fazer o nosso trabalho e promover a saúde no interior”, afirmou.

Já Socorro Ferreira, agente comunitária de saúde de Sobral, agradeceu o trabalho do governador Camilo Santana em prol da categoria. “Ele cumpriu todos os compromissos que assumiu conosco, por isso vamos apoiá-lo para ele ficar mais quatro anos”, afirmou.