sábado, 28 de abril de 2018

Glêdson Bezerra cobra real investimentos na segurança pública


O presidente da Câmara de Juazeiro, Glêdson Bezerra (PMN), usou a tribuna da Casa para discorrer sobre a situação atual da segurança pública do estado do Ceará. Glêdson, que é policial civil, apresentou dados que considera preocupantes, e apesar de reconhecer os investimentos feitos pelo Estado, nos últimos anos, na área de segurança, ainda mostra grande preocupação pela insuficiência, baixos salários e carência de efetivo, tanto na polícia civil quanto na militar.
Ele explica que o lançamento da Unidade Integrada de Segurança (Uniseg), feito pelo Governo do Estado, em parceria com a Prefeitura de Juazeiro, na última semana, pode ser mais uma ação fadada ao fracasso. Pois, de acordo com Glêdson, serão esforços insignificantes. “Apenas 10 bairros foram mapeados e os grandes traficantes vão migrar para os outros 32 bairros, para a zona rural, para outros municípios. Então, não adianta fazer arranjo, o nosso apelo é para que haja um investimento na Polícia Civil, temos os piores salários do Brasil, e isso faz com que os profissionais da segurança nem fiquem nas instituições. Dos muitos que entram, grande parte acaba saindo em busca de melhores situações, em estados vizinhos, que pagam melhor”, reflete.
Glêdson frisa ser preciso haver um investimento maciço em investigação, na Polícia Judiciária, pois, dados oficiais apontam que o Ceará tem o menor efetivo policial do Brasil, com apenas um policial civil para cada 3.408 habitantes. Ele explica que os crimes aumentam a cada dia e a maioria deles não é sequer investigado, ficando sem solução, e passando ainda mais descrença à população com relação à segurança pública.
Assim, segundo o presidente, fica praticamente impossível identificar os grandes traficantes, os grandes receptadores, que alimentam o crime. “O policial militar faz o trabalho fardado e passa segurança, mas mesmo com os investimentos e os 191 novos policiais que estão chegando ainda teremos o quinto menor efetivo militar também. Juazeiro ficará com um policial militar para cada 586 habitantes. O estado precisa urgente fazer uma política de incentivo ao profissional, que vai desde a questão salarial, até a implantação de novas delegacias”, cobra.
Pelo relatório da Delegacia Regional de Juazeiro, apresentado na Câmara, medidas urgentes precisam ser tomadas, como a implantação de duas delegacias distritais, uma de homicídios, funcionando em regime de plantão, com cinco delegados, nove escrivães, nove inspetores e oito viaturas. E a médio prazo, também sugere a implantação de Delegacia da Criança e do Adolescente, da Denarc, para combater o tráfico de drogas, por ser uma regional, entre outras.
Glêdson mostra que o Estado do Pernambuco tem feito todos esses investimentos, em cidades como Petrolina, que tem o mesmo porte de Juazeiro do Norte, provando ser possível investir mais na segurança pública.
(Assessoria de Imprensa)