bnb

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Guimarães critica cortes no orçamento do “Luz Para Todos”

A denúncia da desconstrução do país e de todas as conquistas dos últimos anos esteve presente nestes 20 dias da caravana Lula Pelo Brasil, que chega ao fim nesta terça-feira (5). Lula viajou para nove estados do Nordeste para conversar com o povo, e descobrir “porque o Brasil estava bom, e piorou tanto”, nas palavras do ex-presidente.

Uma notícia publicada na segunda-feira (3) pelo jornal “O Estado de S. Paulo” revela mais uma face desse desmonte. O programa Luz Para Todos, uma das grandes marcas dos governos de Lula e Dilma nas zonas rurais do país, está sob ameaça.

O programa atendeu a mais de 3,2 famílias levando energia elétrica para zonas que antes viviam na escuridão. Com os cortes orçamentários promovidos pelo governo  Temer, porém, o Luz Para Todos recebeu, entre janeiro e maio, apenas 6,5% do previsto para 2017, segundo o jornal.  Foram apenas R$ 75,9 milhões dos R$ 1,172 bilhão previstos para o ano. Já segundo o Ministério de Minas e Energia, até julho, foi executado R$ 252 milhões, o que representa apenas 21%. Com isso, famílias que vivem em casas ainda sem luz tiveram seu sonho adiado.

O desmonte do Luz Para Todos tem a ver com a privatização das empresas públicas brasileiras. A Eletrobras é a primeira da fila.  “É mais um que está sendo desmontado”, afirma o deputado José Guimarães (PT-CE). Todas as políticas dos governos petistas que haviam sido transformadas em políticas de Estado estão sendo destruídas, segundo o deputado. “Estão vendendo o Brasil a preço de banana”, disse.

O corte do programa também prejudica o próprio desenvolvimento econômico. A falta de energia impossibilita a modernização do trabalho no campo e a criação de agroindústrias, por exemplo. “Isso tem impacto na renda, na produção. É a morte para a economia local”, afirma Guimarães. Segundo ele, faltava um percentual pequeno para a universalização do acesso à luz.