sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Assembleia Legislativa pode sofrer alteração na bancada após retotalização dos votos pelo TRE


A Assembleia Legislativa do Ceará (AL-CE) pode ter mudança na composição da bancada para 2019. O Tribunal Regional Eleitoral do Ceará (TRE-CE) realizará retotalização dos votos nesta sexta-feira, 14, às 9h30min, em virtude da decisão do Superior Tribunal Eleitoral (TSE), que validou 6.598 votos de Lia Gomes (PDT).

A comissão de análise será presidida pelo desembargador Haroldo Correia e composta pelos juízes do TRE-CE Alcides Saldanha Lima e Francisco Eduardo Torquato Scorsafava. O órgão informou que apenas o sistema oficial do TSE é capaz de calcular e apresentar os resultados, que podem ou não sofrer alteração nas vagas.

Diferente da disputa pelos cargos de presidente, governador e senador, as eleições para deputado estadual são proporcionais. Os votos válidos são divididos pelo número de vagas existentes na casa. No Estado, a bancada é formada por 46 cadeiras. O quociente eleitoral para vaga na AL-CE foi de 99.375. O que significa que esse foi o valor mínimo que um partido ou coligação teve de alcançar para eleger um candidato.

O nome de dois deputados eleitos foram ventilados como possíveis prejudicados pela decisão do TSE. O vereador de Fortaleza Soldado Noelio (Pros) e Walter Cavalcante (MDB) poderiam perder a vaga na casa para Lucilvio Girão (PP). Ele é o primeiro suplente da coligação formada por PDT, PP, PR, Dem, PRP e foi apontado por parlamentares da base aliada como principal beneficiário da retotalização dos votos.

Lucilvio evitou comentar o assunto, afirmando que não tinha certeza das informações. Ele disse que não gostaria de falar sobre o caso, para depois recuar. Segundo o deputado, faltou entre 2.500 e 3.000 votos para conseguir o mandato.

Por meio de nota, a assessoria do Soldado Noelio garantiu que o parlamentar permanece com a vaga. "Ele foi eleito com 24.591 votos e entrou por coeficiente partidário, dentro do número de vagas da sigla, que somou mais de 206 mil votos, garantindo duas cadeiras".

“Essa informação é meia verdade. Os votos foram contabilizados, mas é inverídico quando diz que o nosso mandato será afetado. A gente vai estar lá a partir do dia 1º de fevereiro”, disse o vereador de Fortaleza, acrescentando que a decisão poderia afetar outro parlamentar eleito na sobra eleitoral.

Já Walter Cavalcante disse ao O POVO Online que não acredita que o veredito do TSE modifique o resultados das eleições. “Tomei conhecimento que os votos seriam validados quando estava na Assembleia. Estou tranquilo em relação a isso, eu não saio do sério com esse assunto”.