domingo, 9 de dezembro de 2018

14 mortos - Governo mantém silêncio sobre ação desastrada da Polícia na tragédia de Milagres

Depois de receber críticas a nível nacional por sua declaração, Camilo silencia.

Dois dias depois do caso da tentativa de roubo ao banco de Milagres, que deixou 14 mortos, a opinão pública, familiares das vítimas e a população da Região do Cariri, seguem sem muitas respostas, pelo menos oficiais do estado. A Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSPDS),limita-se até então, aos dados evasivos já enviados anteriormente.

Até o momento, respostas simples, tais como, se o exame de balística já foi feito nos corpos? Os reféns e os criminosos morreram onde? Dentro de veículos ou na rua? Quantos policiais participaram da ação? Algum policial ficou ferido?”.

As dúvidas continuam sem resposta e o silêncio das autoridades incomoda.

Aliás, na única entrevista concedida à imprensa até então, o governador Camilo Santana acabou causando grande desconforto para sua imagem e para frágil equipe de segurança do estado. Na oportunidade, o governador duvidou de que as cinco pessoas mortas da mesma família seriam mesmo reféns. (ler tópico mais abaixo sobre a fala do governador)

O caso

Um grupo fortemente armado chegou à cidade durante a madrugada de sexta-feira (7) e tentou atacar duas agências bancárias. De acordo com informações preliminares levantadas pela inteligência e que serão aprofundadas durante o inquérito da Polícia Civil, os assaltantes renderam pessoas que passavam pela BR-116 e levaram os reféns até os bancos.
O grupo utilizou um caminhão para bloquear o acesso dos carros na rodovia. As viaturas do BPChoque entraram na cidade e, ao se posicionar próximo ao banco, se depararam com a ação criminosa em andamento. Houve troca de tiros entre suspeitos e os profissionais de segurança.
Durante o tiroteio, cinco criminosos foram baleados e vieram a óbito no local; outros dois foram atingidos por disparos, socorridos e morreram em unidades hospitalares. O oitavo suspeito morreu em outro confronto com a Polícia no município de Barro. Além dos criminosos, outros seis reféns foram feridos e morreram durante a ação criminosa.
Prisões
Na sexta-feira, três homens já haviam sido presos em flagrante suspeitos de envolvimento com o grupo criminoso. Além das prisões, os policiais apreenderam três armas de fogo, sendo três pistolas (calibres 9 mm, 380 e ponto 40), uma espingarda calibre 12 e um revólver calibre 38; e explosivos.
Mais cinco suspeitos da tentativa de roubo a duas agências bancárias em Milagres foram presos neste sábado (8). Com mais essas prisões, sobe para oito o número de pessoas presas suspeitas de participarem direta ou indiretamente no crime.