terça-feira, 6 de novembro de 2018

Justiça abre processo contra delegados e policiais civis por crimes no Ceará

Dois delegados e oito policiais civis que atuavam na Divisão de Combate ao Tráfico de Drogas em Fortaleza vão responder na Justiça por crimes de tráfico de drogas, tortura, extorsão, fraude processual e abuso de autoridade.
A denúncia foi apresentada por promotores do Núcleo de Investigação Criminal da Procuradoria Geral de Justiça do Ceará. O juiz de Jijoca de Jericoacoara, Antônio Edilberto Oliveira Lima, aceitou a abertura de processo, mas negou a prisão dos envolvidos pedida pela promotoria.
Foram denunciados criminalmente os delegados de polícia Lucas Saldanha Aragão e Patrícia Bezerra de Souza Dias Branco - além de oito policiais civis: Thiago Nogueira Martins, Leonardo Bezerra da Silva, Ronildo César Soares, Fábio Oliveira Benevides, Rafael de Oliveira Domingues, Petrônio Jerônino dos Santos (Pepeu), José Audízio Soares Júnior e Antônio Chaves Pinto Júnior.
Segundo o Ministério Público, os policiais cometeram diversos crimes ao investigar um suspeito de tráfico de drogas em Jericoacoara.
Os promotores relataram que a equipe de combate ao tráfico de drogas invadiu a casa de Francisco Esmerino Cassiano, na manhã do dia 17 de fevereiro do ano passado, sem ordem judicial. Revistaram a casa em busca de drogas e, segundo a promotoria, espancaram o morador para confessar onde estariam armas e drogas. Também teriam pedido R$ 50 mil em dinheiro do morador.
Francisco Cassiano foi preso em flagrante naquele dia por posse de armas e drogas, mas segundo os promotores a ação dos policiais foi ilegal.
O advogado Leandro Vasques, que defende a delegada Patrícia Bezerra, disse que ela não participou da prisão em Jericoacoara. Afirmou que a delegada já esclareceu o caso ao Ministério Público. A defesa do delegado Lucas Aragão disse que as acusações são inverídicas e que o processo corre em segredo de justiça.

(G1)