quarta-feira, 21 de novembro de 2018

Granjeiro - PF faz operação contra esquema criminoso em Prefeitura que teria desviado R$ 13 milhões


Mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos na Região do Cariri e em Fortaleza com o objetivo de desmontar esquema de licitações fraudulentas feitas pela Prefeitura do município de Granjeiro. Pelo menos R$ 13 milhões teriam sido desviados dos cofres públicos. Ao todo, 15 mandados serão cumpridos.

A operação, denominada Bricolagem I, foi deflagrada pela Polícia Federal (PF) na manhã desta quarta-feira, 21 em uma força-tarefa conjunta com o Ministério da Transparência e a Controladoria-Geral da União (CGU). Até o momento ninguém foi preso. Parte do dinheiro, no entanto, foi encontrado em caixas de sapato.
A residência do prefeito de Granjeiro, João Gregório, o João do Povo, foi um dos locais alvos da operação, bem como o seu gabinete na prefeitura e os setores de licitações, de pagamento e de compras do Município. Também estão sendo cumpridos mandados em Caririaçu, Aurora, Juazeiro do Norte, todos no Cariri, além de Fortaleza.

Em Caririaçu a investigação é direcionada a um dos empresários envolvidos na fraude de licitações para construção e reforma de escolas.  Em Juazeiro do Norte, policiais federais fizeram buscas em um edifício comercial.

Os envolvidos responderão pelos crimes de desvio de verbas federais e fraude em licitações. Segundo a PF, foram apreendidos "documentos e mídias, um veículo, além de dinheiro, que aida esstá sendo contabilizado". Cerca de 60 policiais federais e oito servidores da CGU participaram da operação.

O esquema

De acordo com Carlos Arthur, a Prefeitura de Granjeiro contratava, por meio de licitações, empresas de fachada para realizar reformas e construir escolas e acabava não utlizando os serviços das empresas, contratando outros por fora.

"Em vez de a empresa da licitação fazer as obras, quem fazia os serviços eram funcionários contratados pela Prefeitura. E aí esse dinheiro (da licitação) ia para a organização criminosa", comenta o assessor da PF. De acordo com a PF, o prejuízo foi calculado entre abril de 2012 e agosto de 2014.

Conforme a CGU, além das fraudes de obras, também houve contratação de serviços que nunca foram realizados, com a verba federal do Programa Nacional de Transporte Escolas (PNATE).

( O Povo)