quinta-feira, 25 de outubro de 2018

PT acredita em virada; PSL diz que "não há mudança de quadro"

O resultado da última pesquisa Ibope sobre a disputa presidencial, divulgado na terça-feira, 23, não deve alterar as estratégias traçadas pelos presidenciáveis Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL). Enquanto a campanha do petista aponta que a queda, de dois pontos percentuais, do concorrente é reflexo da ofensiva de Haddad, aliados do capitão reformado acreditam que não houve mudança de quadro. Uma nova pesquisa, dessa vez do Instituto Datafolha, deve ser divulgada ainda hoje.
Conforme o Ibope, Bolsonaro mantém liderança com 57% contra 43% de Haddad. Antes o militar estava com 59% e o petista, com 41%.
O deputado federal José Guimarães (PT), coordenador da campanha de Haddad no Ceará, enfatiza que há "um clima de virada desde (a última) sexta-feira". "Há um movimento da sociedade muito amplo, democrático, que vai derrotar o fascismo e a violência", afirma.
Contudo, o secretário-geral do PSL Ceará, o advogado Aldairton Carvalho, aponta que a oscilação negativa de Jair Bolsonaro ficou dentro da margem de erro, de dois pontos percentuais. "Nós não constatamos nenhuma mudança de quadro", ressalta.
Segundo Carvalho, a estratégia deve ser mantida. "A campanha está sendo conduzida da forma como sempre foi, tanto no primeiro como no segundo turno, com atuação do partido e a atuação voluntária da população".
A mudança mais evidente, apontada pela pesquisa, está no índice de rejeição. Primeiro levantamento após as denúncias de compra de pacotes de disparo de mensagens contra o PT por empresas no WhatsApp e das declarações do deputado federal Eduardo Bolsonaro sobre o fechamento do Supremo Tribunal Federal, os número indicam um aumento da rejeição do candidato do PSL.
A rejeição a Bolsonaro passou de 35% para 40%; a de Haddad caiu de 47% para 41%. Carvalho defende que os episódios não influenciaram na rejeição ao militar. Já Guimarães acredita que isso é resultado de uma "desconstrução da imagem do Bolsonaro", que deriva de "um movimento suprapartidário", com "os mais amplos setores da sociedade brasileira dizendo 'ele não'".
Para os últimos dias, a campanha petista aposta em "pressão total" para conquistar mais votos e aumentar a diferença no Nordeste, define Guimarães. Fernando Haddad deve estar hoje em Pernambuco e ainda visitará outros dois estados nordestinos, Paraíba e Bahia.
A campanha de Bolsonaro está focada em instruir fiscais e delegados nas sessões eleitorais no próximo dia 28, segundo Aldairton Carvalho. "Estamos promovendo cursos e palestras sobre lei eleitoral, sobre condutas proibidas no dia da eleição. A nossa atuação está muito focada em tentar evitar alguns fatos que aconteceram no primeiro, como o transporte irregular de eleitores", explica.


NÚMEROS
Segundo o Ibope, Haddad lidera na capital paulista, com 51% das intenções contra 49% de Bolsonaro. No 1º turno, o petista perdeu na cidade com 19,7% contra 44,58% de votos de Bolsonaro. No Estado de São Paulo, Bolsonaro continua liderando.