segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Haddad diz que pedirá "mais empenho" do PDT para o segundo turno

Ainda sem contar com uma participação ativa de Ciro Gomes (PDT) no segundo turno da campanha presidencial, o candidato do PT ao Planalto, Fernando Haddad, disse que pedirá "mais empenho" ao partido de Ciro para derrotar Jair Bolsonaro (PSL) no pleito. O petista afirmou que vai telefonar ainda nesta segunda-feira, 15, para o presidente do PDT, Carlos Lupi, após ter recebido "sinais positivos" da legenda em alguns estados.

"Devo ligar para ele para agradecer e pedir mais empenho porque, se o Bolsonaro ganhar, os trabalhadores vão perder mais direitos e o Lupi é trabalhista e sabe o que está em risco em uma eventual eleição do Bolsonaro", afirmou o candidato do PT em coletiva de imprensa, na capital paulista.

Ao sair da sala onde realizou a coletiva, Haddad foi questionado sobre suas estimativas para um apoio mais efetivo de Ciro à sua campanha. "Se depender de mim, ontem", declarou. Nesta segunda-feira, conforme Haddad, a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, já está em contato com o líder do PDT para alinhar um apoio mais claro à candidatura petista.

O presidenciável reforçou sua disposição em ampliar o arco de alianças dizendo que Bolsonaro seria uma "ameaça à democracia". "Estaria disposto a qualquer tipo de... faço gestos todo dia", declarou o candidato. "O governo teria que ser mais amplo do que nunca para garantir uma transição do atual estado de coisas para uma normalidade democrática", avaliou o ex-prefeito.

Haddad declarou, ainda, "respeito à vontade popular" quando questionado sobre um cenário de vitória de Bolsonaro na eleição presidencial. Mais cedo, em entrevista à Rádio Bandeirantes, o petista afirmou que quem perder a eleição precisa "colocar o País acima dos interesses pessoais".

"Quem diz que não aceitaria o resultado das urnas se o contrariasse foi justamente o meu adversário", disse Haddad, declarando que a pergunta sobre aceitar a derrota deveria ter sido feita a Jair Bolsonaro. "Já ganhei e já perdi, fiz uma transição (na Prefeitura de São Paulo) reconhecida nacionalmente", reforçou o petista, para quem "não está em questão" discutir o resultado eleitoral.

"Quem questiona a democracia não sou eu, tanto é que todos os democratas estão contra a candidatura do Bolsonaro, mesmo que não sinalizem apoio à minha candidatura."

Haddad concedeu coletiva de imprensa em frente a uma bandeira do Brasil e ao lado de um tradutor da Linguagem Brasileira de Sinais (Libras), ferramentas geralmente usadas pelo adversário na campanha. Questionado sobre a bandeira, o petista dirigiu novos ataques a Bolsonaro pelo fato de o candidato do PSL ter batido continência à bandeira americana.

(Agência Estado)