quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Cid Gomes vai ao TSE para impedir que Bolsonaro use seu discurso na TV

O senador eleito pelo PDT no Ceará, Cid Gomes, recorreu ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) na noite desta terça-feira (16) contra o uso de sua imagem no programa eleitoral de Jair Bolsonaro (PSL).
O rival de Fernando Haddad (PT) na disputa presidencial levou ao ar na noite desta terça o desabafo que Cid fez contra petistas na segunda-feira (15).
A defesa de Cid, irmão de Ciro Gomes (PDT), diz que Bolsonaro lançou mão de "ardiloso artifício para tentar repassar à população fatos que não condizem com a realidade".
Os advogados do pedetista alegam que a campanha do capitão reformado infringiu a lei eleitoral porque não poderia transmitir propaganda com a imagem de candidato que pertence a partido que declarou apoio a outro.
Os representantes de Cid ainda afirmam que a campanha de Bolsonaro tenta "criar, artificialmente, estados mentais na população, na nítida tentativa de induzir o eleitorado à erro" e anexa à peça reportagens em que Cid declara voto no petista no segundo turno.
"A adoção desse tipo de publicidade, direcionando à classe menos informada ideia falsa, ou pelo menos incompleta, que poderá levar milhares de brasileiros à erro, tudo com o claro intuito de angariar, mesmo que de forma vil, o voto da população mais carente, deve ser reprovada!"
Na ação ao TSE, a defesa de Cid ainda reclama que a propaganda de Bolsonaro foi editada de modo a cortar trechos do discurso do senador eleito em que ele faz elogios a Haddad.
O programa do candidato do PSL começa com a voz de um locutor que diz: "Cid Gomes, irmão de Ciro Gomes, fala a verdade que o PT não aceita". Em seguida, a peça exibe trechos do discurso do pedetista em evento de apoio a Haddad, no qual ele diz que os petistas precisam fazer um "mea culpa" porque fizeram "muita besteira".
A campanha de Bolsonaro pretende repetir a peça nesta quarta (17).

(DN)