quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Assembleia deve ter 38 dos 46 deputados como aliados do governador Camilo Santana

Com o resultado das eleições de 2018, a Assembleia Legislativa do Ceará (AL-CE) recebe novos deputados e se prepara para quatro anos com possíveis mudanças nas articulações tantos de opositores como de aliados.
Novos deputados
A renovação na AL-CE chegou a 37% em 2018, com a mudança de 17 dos 46 eleitos. O índice é menor que no pleito de 2014, quando mais da metade dos 46 deputados foi renovada, 24 dos 46.

Bancada

O PDT manteve-se como o partido com maior bancada, 14 dos 46 deputados. O partido é o principal reduto do grupo político do governador Camilo Santana (PT) e dos irmãos Cid e Ciro Gomes (PDT). Dois partidos perderam representatividade para o próximo mandato: PSDC e PRP.
A bancada governista continua com maioria esmagadora na Casa, principalmente em uma eleição na qual o governador foi reeleito com uma base aliada de 24 partidos.
Para a próxima legislatura, venceram aliados importantes do grupo político do Governo, como o presidente da Câmara Municipal de Fortaleza, Salmito Filho, o aliado do prefeito, Queiroz Filho; e o concunhado de Camilo Santana, Fernando Santana (PT).
O vice-presidente da AL-CE, Tin Gomes acredita que haverá pouca mudança nas relações da Casa. “Em termos de relacionamento com o governo, a bancada se manteve e o governador é o mesmo. Acredito que não vá diferenciar muita coisa. A oposição mudou de pessoas, mas o tamanho ficou parecido”, pontuou.
Dos 46 deputados, oito devem integrar a oposição: André Fernandes (PSL), Renato Roseno (Psol), Fernanda Pessoa (PSDB), Heitor Férrer (SD), Nelinho (PSDB), Delegado Cavalcante (PSL), Soldado Noélio (Pros) e Vitor Valim (Pros).
Dos antigos opositores, não se reelegeram Carlos Matos (PSDB) e Ely Aguiar (PSDC). Capitão Wagner (Pros) foi eleito deputado federal e Roberto Mesquita (Pros) desistiu de disputar.
Na posição desde o Governo Cid Gomes (PDT), Heitor Férrer lamenta o número pequeno de opositores. “A expectativa de uma oposição forte é dificil porque temos um número diminuto. Temos que compensar o número diminuto na qualidade do trabalho, fazermos oposição responsáve, competente, sem criação de factóides para não nos descredenciarmos”, destacou.
Presidência da Casa
Em 2019, será escolhida a nova Mesa Diretora da Casa. O deputado Zezinho Albuquerque (PDT) foi o presidente do Legislativo nos último quatro anos, tendo sido reeleito em 2017. O regimento interno permite que ele dispute o cargo novamente.

(TC)