quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Governo do Ceará viabiliza junto ao Governo Federal aporte de R$ 100 milhões para transposição da água do Rio São Francisco


Em reunião técnica realizada na tarde desta quarta-feira (12), no Palácio da Abolição, o Governo do Ceará garantiu, junto ao Governo Federal, um aporte complementar no valor de R$ 100 milhões para as obras da transposição da água do Rio São Francisco. Aprovado o repasse, a tendência é que o reforço no abastecimento hídrico chegue a Fortaleza e Região Metropolitana nos próximos meses.

Durante o encontro, o secretário chefe do Gabinete do Governador do Ceará, Élcio Batista, e o secretário de Recursos Hídricos, Francisco Teixeira, apresentaram o projeto da obra do Cinturão das Águas do Ceará (CAC) ao Ministro Chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República, Carlos Marun, e ao Ministro da Integração, Antônio de Pádua. A reunião teve duração de cerca de duas horas e contou com representantes técnicos do Estado e Ministérios.

O aporte será encaminhado para a Presidência da República para aprovação.

Plano de Segurança Hídrica

Uma das prioridades do Governo do Ceará tem sido intensificar e garantir recursos e estratégias para minimizar os efeitos do sexto ano consecutivo de estiagem no Estado. Em fevereiro de 2015, com foco no interior, foi lançado o Plano Estadual de Convivência com a Seca prevendo medidas emergenciais, estruturantes e complementares para cinco eixos de atuação: segurança hídrica, segurança alimentar, benefícios sociais, sustentabilidade econômica, e conhecimento e inovação.

Entre as iniciativas adotadas estão: perfuração de poços, construção de adutoras, além de chafarizes e sistemas de abastecimentos de água. O programa de perfuração de poços está sendo intensificado nas regiões que mais precisam. Em junho de 2016, o governador Camilo Santana anunciou um conjunto de ações emergenciais com foco no abastecimento de água em Fortaleza e Região Metropolitana.

Cinturão das Águas

A concepção preliminar do CAC, uma das maiores intervenções para aumentar a segurança hídrica para o Ceará, teve origem no final dos anos 1990, no âmbito dos extensos estudos de “Inserção Regional” do Projeto de Transposição de Águas do Rio São Francisco (PTRSF) para o Nordeste Setentrional. Foi traçado um canal que circundaria os limites sul e oeste do Estado. À época, rotulou-se o projeto de “Cordão de Água”.

Em março de 2009, a SRH contratou o “Estudo de Viabilidade Técnico-Econômica, Estudo Ambiental e Anteprojeto do Trecho Jati-Cariús” para o que, então, denominou-se de Cinturão de Águas do Ceará (CAC).

(Governo do Ceará)