terça-feira, 11 de setembro de 2018

Ceará tem maioria de mulheres no eleitorado e minoria na disputa de cargos


No Ceará, as mulheres são maioria na hora de conceder seu voto, mas são minoria quando o assunto disputar votos. Em 2018, as mulheres representam apenas 30,7% do total de candidaturas no Estado – próximo ao limite mínimo permitido pela Justiça Eleitoral. Numa eleição com mais vice-candidatas, quase 40% em todo o Brasil, chama atenção que o percentual de mulheres que concorrem permaneceu o mesmo de 2014.
Com base em um levantamento de candidaturas criado pelo movimento Ela Candidata em todo o Brasil, lista as mulheres que postulam cargos públicos nessas eleições. A ferramenta tem como objetivo reunir informações sobre as mulheres candidatas.
No Ceará, todas as coligações cumprem a cota de 30% de candidaturas femininas. Em 2018, são 278 candidatas contra 629 candidatos. Em 2014, o índice foi pouco maior, com 30,9% do total de postulantes, mas numericamente houve pouca mudança: eram 270 mulheres há quatro anos. No Brasil, em 2014, disputaram 8.124 mulheres (31,1%). Em 2018, são 9.131 candidatas (31,4%).
De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o Ceará tem 6.344.483 eleitores, dos quais 53% são mulheres (3.361.941) e 47% são homens (2.980.778).
A disputa atual no Ceará tem uma mulher em quatro das cinco chapas majoritárias. A atual vice-governador Izolda Cela (PDT) tenta reeleição ao lado de Camilo Santana (PT). Na principal chapa de oposição, a vereadora de Caucaia e empresária Emília Pessoa (PSDB) sai ao lado de General Theophilo (PSDB).
A chapa de oposição tem também uma candidata ao Senado, Mayra Pinheiro (PSDB). O mesmo aconteceu com a chapa Psol-PCB. A candidata a vice Raquel Lima (PCB) acompanha Ailton Lopes (Psol) e tem Anna Karine (Psol) como candidata ao Senado. Na chapa de extrema direita, a professora Ninon Tauchmann (PSL) é candidata a vice na chapa com Hélio Góis (PSL). Somente a chapa do PSTU não tem mulheres.

(TC)