sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Apoios a Haddad e Ciro geram debates na Câmara municipal de Fortaleza

A mais recente pesquisa Datafolha para a Presidência da República, divulgada na madrugada de ontem (20), repercutiu entre vereadores da Câmara Municipal de Fortaleza. O debate ficou acirrado na Casa com aliados do presidenciável Ciro Gomes (PDT) saindo em defesa do pedetista após o vereador Guilherme Sampaio, líder do PT na Câmara, destacar o crescimento do correligionário Fernando Haddad (PT) nas pesquisas.
Os dois estão tecnicamente empatados em segundo lugar. Para o vereador petista, a evolução de Haddad, que cresceu sete pontos nos levantamentos do Datafolha desde que foi oficializado
candidato no último dia 11, indo de 9% no dia 10 para 16% na pesquisa mais recente, seria uma resposta da população ao que classifica como "golpe", iniciado com a destituição da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e continuado com a prisão e consequente indeferimento da candidatura do ex-presidente Lula (PT) ao Palácio do Planalto.
De acordo com Guilherme Sampaio, desenha-se, para o segundo turno, combate entre dois projetos. "Um, do ponto de vista da condução econômica, é a continuação do golpe, embora queira parecer novo", criticou. "Um outro projeto é a retomada de uma outra governança para o País, inclusiva, participativa, que prioriza colocar os mais pobres no Orçamento". Ele defendeu "uma reforma tributária que atinja as grandes fortunas".
A fala gerou críticas de Adail Jr. (PDT). De acordo com ele, o PT teve a oportunidade de taxar grandes fortunas durante os mais de dez anos de governo, mas escolheu não fazê-lo. O vereador destacou a estabilidade de Ciro nos levantamentos. "Sabemos que os últimos dez dias (da campanha) é que contam, com os debates na televisão".
O vereador Portinho (PRTB), por sua vez, armou que o Brasil precisa de uma alternativa moderada, e opinou que Ciro Gomes poderia cumprir esse papel. "O Brasil precisa de um presidente experiente", pregou. Em aparte, Eron Moreira (PP) foi mais duro com o presidenciável petista. "O Lula está querendo colocar um poste sem luz para ser presidente do País", apontou

(DN)