quarta-feira, 22 de agosto de 2018

Procurador quer forças federais na eleição no Ceará

Logo depois que deu a entrevista ao Diário do Nordeste, na última segunda-feira, sobre a convocação de forças federais para garantir a segurança das eleições, no Ceará, a desembargadora Maria Nailde Pinheiro Nogueira, presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), recebeu um ofício do procurador-Regional Eleitoral, Anastácio Nóbrega Tahim Júnior, defendendo o concurso de forças federais para garantir a eleição.
O representante da Secretaria de Segurança do Estado falou pouco sobre o assunto. Segundo a desembargadora Nailde, a ideia da convocação da ajuda federal para garantir a normalidade do pleito de 7 de outubro próximo, tem base nas informações sobre o avanço do crime organizado em alguns pontos da cidade de Fortaleza, causando preocupação quanto ao bom funcionamento das seções eleitorais nessas localidades da Capital, assim como no Interior.
No ofício do procurador eleitoral à presidente do TRE, ele diz que as facções criminosas "ensaiam implementar um Estado paralelo em vários bairros e comunidades da capital e do interior, determinando diversas condutas sociais, demarcando áreas e executando punições aos 'infratores'', enfatizando logo a seguir que "a própria sede da Secretaria Estadual da Justiça e Cidadania em Fortaleza fopi alvejada durante a madrugada do dia 24" de março.
O ofício 6705/2018, enviado segunda-feira pelo Ministério Público Federal, cita "generalizada e explícita crise de Segurança Pública que enfrenta o Estado do Ceará frente à ascensão do crime organizado, por maiores que tenham sido os esforços estatais para coibi-la" e se posiciona favoravelmente sobre a necessidade da solicitação de Força Federal nas eleições deste ano.
(DN)