segunda-feira, 27 de agosto de 2018

Ibope expõe fraquezas de candidatos à Presidência

Jair Bolsonaro (PSL) enfrenta forte resistência no eleitorado feminino. Marina Silva (Rede) patina entre os homens. Ciro Gomes (PDT) não convence os evangélicos. Geraldo Alckmin (PSDB) não atrai os mais jovens. Fernando Haddad (PT), provável substituto de Luiz Inácio Lula da Silva, tem desempenho pífio no interior.
Além de mostrar quem lidera a corrida eleitoral, a pesquisa Ibope/Estado/TV Globo expôs os segmentos do eleitorado em que os candidatos à Presidência têm desempenho mais fraco do que a média.
É provável que esse quadro se mantenha, em um primeiro momento, pois as equipes de campanha dos principais concorrentes não planejam fazer agora esforços para conquistar eleitores mais resistentes. Pelo contrário, a estratégia é reforçar os laços com eleitores de perfil mais afeito ao discurso de cada um.
Apenas um terço do eleitorado de Bolsonaro é formado por mulheres sendo que as eleitoras são 53% do eleitorado nacional. O deputado, que costuma obter alto engajamento de seguidores nas redes sociais, também enfrenta resistências no eleitorado mais velho e menos conectado à internet.
Eliane Souza, que vive em Teresina (PI), é contundente ao explicar os motivos que a levam a não cogitar o candidato do PSL nas eleições. "Ele entra em polêmicas sobre racismo, mulheres, homofobia... Não acho que ele tenha condições de governar o nosso país", afirmou.
Moradora da periferia de Salvador, a aposentada Maria José dos Santos, de 76 anos, não possui celular. "Não sei quem é esse cara, nunca ouvi falar", disse ela, ao ser questionada sobre a candidatura de Bolsonaro.
Se dois terços do eleitorado de Bolsonaro é masculino, com o contingente que apoia Marina ocorre o contrário. Segundo o Ibope, somente 37% dos eleitores da candidata da Rede ao Planalto são homens. Ela também tem desempenho abaixo da média nacional entre os eleitores mais velhos, brancos, de renda alta e do interior.
"Ah, não dá, Marina tem um sério problema de confiabilidade governamental", disse Rinaldo Gomes da Silva, de Pitangueiras, cidade na região de Ribeirão Preto, em São Paulo.
Mulher, branca, evangélica e moradora da região Centro-Oeste, a radialista Yara Galvão, de Aparecida de Goiânia (GO), é representante de vários segmentos nos quais Ciro tem desempenho ruim. Para ela, o "histórico político" do representante do PDT "desabona o candidato".
Lucas Morais, de 26 anos, morador de Fortaleza, considera Alckmin um candidato dos "empresários sulistas", o que afasta qualquer possibilidade de votar no ex-governador. Morais encarna, ao mesmo tempo, dois segmentos em que o tucano tem desempenho inferior à média: nordestinos e jovens.
Na divisão das intenções de voto por gênero e por religião, porém, a distribuição dos simpatizantes de Alckmin espelha exatamente a composição do eleitorado do País.
Haddad ainda nem se apresenta como possível candidato, apesar de o PT apostar nele como "plano B" para quando Lula for declarado inelegível por problemas legais o ex-presidente foi condenado em segunda instância na Lava Jato e está preso desde o dia 7 de abril.
Pouco conhecido no País, Haddad é ainda mais ignorado fora das capitais. "É um cara que não se destaca", disse Gilmar Baioto, 51 anos, comerciante de Porto Belo (SC). "Não conheço o trabalho dele", afirmou em discurso parecido ao de Rosângela Souza, de Florianópolis.

(Agencia Estado)