segunda-feira, 16 de julho de 2018

Pedro Lobo participa de ato em defesa de Lula na abertura da Expocrato


O vereador Pedro Lobo, do PT, participou, ontem (domingo, 15), de um ato em favor do ex-presidente Lula na abertura da 67ª Expocrato 2018. O movimento reuniu a Frente Brasil Popular, categorias dos movimentos sociais e sindicais no portão principal do Parque de Eventos Pedro Felício Cavalcante, em Crato. O objetivo era chamar a atenção da população sobre a injustiça contra o líder petista e a necessidade de sua volta ao governo do país para reverter a grave situação político-econômica do Brasil. Dezenas de participantes conversaram com a população, que recebeu com entusiasmo panfletos e adesivos.
Para Pedro Lobo, que atua como vereador no Crato há um ano e sete meses, realizar o ato durante o maior evento da região permite atingir o público do Cariri e os visitantes de outros locais. Com a hashtag #lulalivrejá, os militantes defendem que Lula possa concorrer às eleições presidenciais este ano. “Ele será eleito, já colocou o país no rumo do desenvolvimento, é a única liderança que tem base social e é apontado nas pesquisas com mais de 70% da preferência dos eleitores no Cariri. Lula é a esperança da reconstrução de um país mais justo e igualitário e restabelecimento da democracia”, destacou o vereador.
Lula é apontado por Pedro Lobo como o único capaz de conduzir a construção de um projeto de nação com a participação do povo e reforma política com mais igualdade social, distribuição de renda, inclusão social, geração de empregos, redução de impostos, diminuição da pobreza, maior assistência nos serviços públicos, democratização dos meios de comunicação e recuperação da reputação internacional do país. Um governo feito para todos.
Pedro Lobo, que também é presidente do Partido dos Trabalhadores (PT) em Crato define a prisão de Lula como um “atentado à democracia, ao direito do povo e ao nosso país. Estamos dizendo não às políticas e reformas desse governo ilegítimo, que quer tirar direitos dos mais sofridos”. Para ele, o povo deve promover uma mudança nas urnas, escolhendo deputados, senadores, governadores e presidente que tenham compromisso com o povo e retirando os que votam contra os direitos dos trabalhadores.
O ato fez parte de uma série de ações que terminarão com a marcha para Brasília, onde no dia 15 de agosto será inscrita a candidatura de Lula às eleições.