sábado, 28 de abril de 2018

Ministério Público Federal: racha interno


Depois de passar pela procuradora-geral Raquel Dodge, chegou à Corregedoria-Nacional do Ministério Público representação do subprocurador da República, Moacir Guimarães, cobrando investigações internas contra o ex-procurador Marcello Miller, o ex-PGR Rodrigo Janot e seu ex-assessor Eduardo Pellela.
O trio foi citado na delação premiada dos irmãos Joesley e Wesley Batista, na Lava Jato. Guimarães lembra que a ausência de uma sindicância já resultou em cobrança pública a Dodge, no plenário do STF.
Guimarães também quer apurado ato de Janot, que alugou apartamento de sua propriedade ao ex-secretário-geral da PGR, Blal Yassine, com a garantia de receber o aluguel averbado em folha de pagamento.
Enquanto isso, deu em nada à queixa da defesa de Lula contra quatro procuradores da República que atuam na Lava Jato. Na semana passada, o Conselho Nacional do Ministério Público arquivou o caso. Entendeu que não houve descumprimento de deveres funcionais e nem se ignorou o princípio da presunção de inocência, quando o grupo se referiu ao ex-presidente em público. Aliás, na sessão, lembrou que tese similar foi desconsiderada pelo órgão em outro processo, no passado.Ricardo Boechat - ISTOÉ