quarta-feira, 11 de abril de 2018

Juazeiro abre Campanha Nacional de Hanseníese e Tracoma nas escolas


A Prefeitura Municipal de Juazeiro do Norte, através do Programa Saúde na Escola (PSE), realizou a abertura oficial da Campanha Nacional de Hanseníase, Verminoses e Tracoma no Município, na manhã desta terça-feira (10), na Escola de Ensino Fundamental Demóstenes Ratts Barbosa.
Na abertura, a secretária de Saúde de Juazeiro do Norte, Nizete Tavares, coordenadoras do Programa Saúde na Escola (PSE) e dos setores envolvidos, tanto da Secretaria de Saúde (Sesau) quanto da Secretaria de Educação (Seduc), reuniram-se com os pais e responsáveis dos estudantes para explicar como a Campanha está sendo realizada e reforçar com eles a importância de autorizar, através da assinatura de um termo, que seus filhos participem das ações.
A Campanha acontece por meio do PSE, parceria entre a Sesau e a Seduc, e tem como objetivo promover a redução da carga parasitária de geo-helmintos (verminoses), identificar casos suspeitos de hanseníase e de tracoma em estudantes na faixa etária de 05 a 14 anos de idade, matriculados em escolas públicas do Município, através da busca ativa e exames para detecção e tratamento destas doenças.
Estas ações já estão sendo realizadas e acontecerão em todas as 44 escolas municipais pactuadas no PSE, por meio da abordagem integrada entre os profissionais do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF), agentes de endemias, médicos e enfermeiros das equipes de Estratégia Saúde da Família (ESF) de cada bairro.
“Entendemos que precisamos trabalhar a prevenção e a promoção da saúde a partir das escolas. Estamos tendo também reunião com os pais, pois a presença deles é fundamental neste trabalho, para que apoiem as ações e participem junto com seus filhos. A partir da prevenção com as crianças com certeza teremos adultos mais saudáveis”, ressaltou a secretária de saúde, Nizete Tavares.
“Esta Campanha é muito importante, porque muitas vezes a gente não tem esse tempo disponível para estar indo no posto de saúde, para dar esse suporte e estar olhando se nossos filhos têm essas doenças. Então fica mais acessível na escola, que é um lugar que eles têm que vir todos os dias. Facilita a vida de nós, pais, que é tão corrida”, afirmou Cícera Romana, mãe de aluno.
(Assessoria de Imprensa)