sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Bolsonaro cham Tasso Jereissati de "coronel"


"É o coronelismo de Tasso", afirmou Jair Bolsonaro (PSC) ao O POVO Online ao explicar como entende o veto do senador Tasso Jereissati (PSDB) à sua presença no palanque de Capitão Wagner (PR) – caso se concretize candidatura ao Governo do Estado. Para o presidenciável carioca, "é patente" a alternância de poder entre PT e PSDB, sustentada, no Ceará, pelos Ferreira Gomes e Tasso.
"Coronelismo de Ciro Gomes (PDT) e Tasso também. São dois coronéis da política. É patente ver PT e PSDB na política nacional, jogando ping-pong o tempo todo", disse Bolsonaro.
O presidenciável ainda negou ter "algum problema" com Tasso Jeressati, mas afirma também não ter pretensão de se aproximar do senador. "Não me interessa ter contato político com uma pessoa que vive de coronelismo, baseado em esquemas, e até mesmo envolvimento com pessoas com histórico de corrupção."
De acordo com Bolsonaro, a "população vai querer o diferente" a partir de 2018 e "o coronelismo localizado vai deixar de existir".
Jair Bolsonaro ainda vê como "um tiro no pé" a intenção de Tasso de apoiar nome de Geraldo Alckmin (PSDB) para a candidatura à Presidência da República, por possibilidade de denúncias contra o governador de São Paulo na Operação Lava Jato e envolvimento em escândalos de corrupção.
"A questão da honestidade vai falar muito alto nas eleições. A eleições esse ano vão ter pressão enorme das mídias sociais. A melhor alternativa sou eu, ninguém nega isso: não tenho políticos grandes comigo, mas estou com o povo, com um percentual bastante elevado nas pesquisas. Mas me coloco no lugar do Capitão Wagner", destaca o deputado federal, recentemente alvo de denúncias envolvendo aumento no patrimônio pessoal que não seria condizente com sua renda.