BNB

BNB

domingo, 4 de junho de 2017

Temer pensou em renunciar quando a crise estourou


Sabe-se, agora, que o presidente Michel Temer pensou em renunciar na noite de 17 de maio, quando estourou a maior crise política do governo. Naquele dia, foi revelado o conteúdo do encontro dele com o empresário Joesley Batista, dono da JBS, no Palácio do Jaburu.
À noite, ainda no Palácio do Planalto, Temer pensou seriamente em deixar o governo.
Na ocasião, o presidente foi aconselhado por alguns auxiliares que continuaria sangrando se permanecesse à frente do governo e que seria muito ruim para a biografia dele terminar a gestão daquele jeito.
Pior: correria o risco de sofrer um processo de impeachment caso não renunciasse, agravando, ainda mais, a crise política.
Naquela noite de 17 de maio, Temer foi contido pelo núcleo político mais próximo: os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria Geral da Presidência), pelo líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), e pelo líder do PMDB na Câmara, Baleia Rossi (SP).
Temer também recebeu o apoio do senador Jader Barbalho (PMDB-PA).
Foi com esse grupo de peemedebistas que Temer resistiu à primeira noite.
O humor do presidente só mudou quando ele recebeu a informação preliminar do conteúdo do áudio. "Como não havia uma afirmação categórica de Temer para comprar o silêncio de Cunha, ele decidiu permanecer na resistência", relatou ao Blog um aliado que acompanhou os momentos mais dramáticos de Temer naqueles dias.
Foi com essa estratégia que ele fez o primeiro pronunciamento na quinta-feira (18) e o segundo pronunciamento, no sábado (20).
Temer anunciou que não renunciaria e pediu uma perícia no áudio entregue por Joesley Batista aos investigadores da Lava Jato.
Ao mesmo tempo, Temer também passou a atacar o acordo de delação premiada fechado pelo empresário da JBS. "Por muito pouco, Temer não renunciou", resumiu este aliado.
(Blog do Camarotti)