bnb

quarta-feira, 31 de maio de 2017

"Aumento na taxa de iluminação pública foi decisão da Enel", diz secretário de Finanças do Crato

Secretario Carlos Eduardo deu explicações aos vereadores (Foto: Flávio Pinto)

A sociedade e representantes da prefeitura, atenderam o convite do presidente da Câmara Municipal do Crato, vereador Florisval Coriolano e participaram ontem (terça-feira (30), da Audiência Pública, que discutiu o aumento de até 100% da taxa de iluminação pública.  O reajuste foi cobrado pela concessionária sem nenhuma justificativa e repassada aos consumidores cratenses, que foram pego de surpresa ao comparar o valor cobrado este mês ao pago pelo consumo nos 30 dias anteriores.
Com o encontro, o Poder Legislativo cumpre, mais uma vez, seu papel de sair em defesa dos direitos da população cratense. O secretário de Finanças do Crato, Carlos Eduardo Marino, esclareceu dúvidas dos vereadores e da população e comentou sobre informações solicitadas pela Prefeitura à Enel.
Segundo ele esclareceu, a Prefeitura foi informada de que a Enel, empresa que gerencia o fornecimento de energia no Crato, tem feito uma revisão para adequar o valor com base em leis municipais de cidades analisadas.
“Informamos a Enel que a nossa legislação municipal sobre contribuição de iluminação pública, a última alteração que ocorreu foi em 2013, no início da gestão do prefeito anterior”, diz o Secretário ao acrescentar que mais informações foram solicitadas à empresa.
“Em nenhuma hipótese a Prefeitura do Crato tomou qualquer iniciativa”, afirma o secretário de Finanças. “Isso foi uma decisão unilateral de correção de erros passados que estavam na cobrança de contribuição de iluminação pública”.
Cratenses também puderam, na sessão, expressar suas opiniões e, no caso, descontentamento com a cobrança. Maria Isabel Carvalho mora próximo ao Parque de Exposições e disse notar que muitas vezes parte da Avenida Maildes de Siqueira (em frente ao parque) fica sem iluminação pública.
“Ouvi num jornal uma pessoa dizer que pagou dezesseis reais e agora pagou quarenta e seis”, conta. “A minha eu acho que foi mais de cento e cinquenta por cento e não acho uma iluminação pública de qualidade. Eu mesma acionei a Justiça e não irei pagar”.
Ressarcimento
Como encaminhamentos da audiência, a Comissão Permanente de Defesa do Consumidor e Cidadania, da Câmara do Crato, vai ingressar com ação pedindo o ressarcimento do valor aos consumidores que foram cobrados.
Para o presidente do Legislativo cratense, vereador Florisval Coriolano (PRTB), as audiências públicas são importante dispositivo para discutir temas que envolvem a população do Crato diretamente. Para as discussões, a Câmara tem convidado tanto a população afetada como as pessoas diretamente ligadas às temáticas, a exemplo dos secretários.
(Com informações da Assessoria de Imprensa)